Dois homens caem de viaduto em confronto com a polícia e situação sai do controle na Pampulha

PM pede para jovens voltarem para casa e usa helicóptero para jogar bombas e o “Caveirão”

Enzo Menezes
Do R7 MG

Edcley Araújo/Hoje em Dia

http://img.r7.com/images/2013/06/22/18_06_55_967_file?dimensions=460x305
Adolescente de 16 anos foi atendido com suspeita de traumatismo craniano

Pela segunda vez na semana, dois jovens cairam de um viaduto na avenida Antônio Carlos e se feriram gravemente durante confrontos com a Polícia Militar. O primeiro acidente ocorreu por volta das 17h da tarde deste sábado (22), quando manifestantes teriam sido cercados pela tropa na saída do viaduto José Alencar. A segunda vítima se feriu meia hora depois.
Na segunda-feira (17), outro jovem caiu da estrutura de cinco metros ao correr de bombas lançadas pelos militares.
Caio Thiago Tomé Lopes, 17 anos, foi atendido pelo Corpo de Bombeiros e levado para o pronto-socorro do Hospital João 23 com traumatismo craniano e fratura nos braços e pernas. A outra vítima ainda não teve o nome divulgado.

Situação fora de controle

O coronel Marcio Sant´ana, comandante da Polícia Militar de Minas Gerais, em entrevista à Rádio Itatiaia, pediu para que os manifestantes voltem para casa para facilitara repressão a atos de agressão e vandalismo. À Band News, o major Gilmar Luciano fez um apelo para que os manifestantes voltem para a casa porque em breve a repressão a atos de vandalismo será mais dura.
Relatos nas redes sociais indicam que o Gate (Grupo de Ações Táticas Especiais) se reúne na avenida Coronel José Dias Bicalho, com armamento pesado, esperando a ordem do comando para agir. O blindado da PM, conhecido como “Caveirão”, foi posicionado na Antonio Carlos.
Manifestantes também relatam a presença de jovens armados com facas e cacos de vidro no meio da multidão. Placas foram arrancadas e incendiadas na Antonio Carlos. Carros da UFMG também foram apedrejados. Plantas foram arrancadas e despejadas na pista. Coqueteis molotov chegaram a ser atirados em direção a um posto de combustíveis, que não foi atingido.
Torcedores que tentam deixar o Mineirão, após a partida entre México e Japão, estão acuados no estádio, já que o confronto ocorre nas vias de acesso.

Tensão

A confusão começou na Abraão Caram, quando um grupo começou a atirar pedras e foguetes na Tropa de Choque. Os militares revidaram com tiros de borracha, bombas, gás lacrimogêneo e spray de pimenta. O viaduto onde o jovem se acidentou serve de barreira para policiais e manifestantes.
A situação saiu de controle e quem protestava pacificamente acabou enredado na confusão. Helicópteros da PM ajudam a soltar bombas para dispersar a população nas vias de acesso ao Mineirão. Segundo a própria polícia, cerca de 100 mil pessoas se reúnem na Pampulha. Com o fim da tarde, a multidão se dispersou.
Enquanto isso, um grupo aproveitou para apedrejar uma concessionária de veículos. Pelo menos quinze pessoas foram feridas, entre jornalistas, manifestantes e militares. Ainda não há registro de presos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s